to top

Quando ter o segundo filho?

Será que tem hora certa para ter o segundo filho?

Várias perguntas martelavam na minha cabeça, será que chegou a hora? Será que eu sou capaz?

Será?

Será?

Será?

É tao difícil cuidar de um filho, imagina com dois. Acho que não vou dar conta. E com isso os anos foram se passando e eu adiando a chegada do segundinho. Até que finalmente me achei preparada, Gabriel estava crescendo, o rostinho de bebe tinha ido embora e a saudade de ter um neném em casa só crescia.

É, eu não queria admitir mas a vontade de ser mãe novamente estava aflorando em mim.

Tentei engravidar por quase 1 ano e nada do meu tão esperado segundinho vir.

Será que era a resposta de Deus para a minha pergunta? Será que eu não estava pronta e por isso não engravidava?

Resolvi procurar o meu Ginecologista e fazer todos os exames de sangue, mas tudo estava correto. Então o que seria?

Depois de fazer a USG a pedido do meu médico, descobri que eu tinha Ovário Policistico e isso estava dificultando para que eu engravidasse. De acordo com o meu ginecologista, eu não podia continuar assim, teria que fazer um tratamento para eliminar os Cistos e depois tentar engravidar. Respirei aliviada. Sabia que assim que eu terminasse o tratamento o meu segundinho viria.

Passaram dois meses e fui fazer um cruzeiro com a minha família, lá eu me distrai totalmente e por alguns dias, esqueci completamente da minha vontade de ter o segundinho.

Depois que chegamos de viagem, não sei o porque, mas o Gabriel começou a pedir sem parar para ter uma irmãzinha. Sim, ele não pedia por um irmão, a vontade dele era que viesse uma menina.  Conversava com ele, que o que Deus mandasse estava ótimo. Mas não entendia essa vontade dele, porque ninguém tinha comentado que queríamos um segundo filho.

Passaram alguns dias e as minhas cólicas estavam cada vez mais intensas. Preocupada com os cistos, marquei a minha consulta para começar o tratamento. Mas como todo inicio de tratamento, o meu medico pediu vários exames de novo e um deles era o Beta Hcg. Quando peguei os meus exames, tomei um baita susto, o meu Beta Hcg tinha dado positivo.

Eu não sabia o que estava sentindo, vieram um turbilhão de coisas na minha cabeça, era emoção, era medo, eram dúvidas. Eu não imaginava que eu estava gravida, não senti enjoo e nem nada dos sintomas comuns.

Será que o exame estava mesmo certo??

Lá fui eu repetir e SIM, eu estava grávida mesmo. O meu tão esperado segundinho estava dentro de mim. Só de lembrar, os meus olhos se enchem de lágrimas.

Mas depois de alguns dias, eu comecei a martelar na minha cabeça.

Será que eu me precipitei?

Será que era o momento certo mesmo?

Será que vou amar-lo assim como amo o Gabriel?

Gabriel estava em uma fase impulsiva, cheio de birras e não me obedecia. Só queria saber dos avos e eu andava tão sem paciência com ele.

Por 1 mint eu pensei que tinha feito a maior besteira. Se eu estava sem paciência com um filho, como seria com dois?

Como será a minha vida com o Gabriel mal criado e eu tendo que dar atenção exclusiva para um bebe 24 h por dia?

E o meu marido?

Onde ia ficar nessa história? Eu não ia ter tempo para ele, para nós.

As lágrimas escorriam em meu rosto e por alguns segundos desejei não estar gravida.

Ooh Meu Deus, como desejei isso??

Finalmente consegui o que eu mais te pedi durante 1 ano. Por que estou falando isso?

Com a mão em minha barriga, pedi perdão a aquela sementinha que crescia dentro de mim, pedi perdão a mim e a Deus. Os hormônios e a insegurança tomavam conta de mim e dos meus pensamentos!

Fui escolhida por Deus para ser mãe, gerei meu príncipe Gabriel e agora estava gerando mais um grande amor. Eu não ia reclamar mais e nem perguntar se era o momento certo. Eu ia me dedicar, dar o melhor de mim e apesar de todas as angustias e medo, eu tinha certeza que daria o meu melhor todos os dias. Uns dias melhores que os outros, mas sempre tentando melhorar e superar.

Afinal, não existe mãe perfeita. Estamos nessa vida para errar e aprender todos os dias.

Os dias se passaram e eu já amava demais o meu segundinho, já fazia planos e escolhia as opções de nome. Mas, um balde de água gelada caiu sobre a minha cabeça quando fiz a primeira ultra. O médico simplesmente disse que eu estava com hematomas e que pelo tempo de gestação, era para ter batimento cardíaco. Dificilmente o meu segundinho iria “vingar”. Sai dali destruída, sem chão. Eu tinha certeza que Deus estava me punindo pelas besteiras que havia pensado.

Liguei para o meu marido em lágrimas, ele arrasado contou para a mãe dele.

Logo, a minha sogra me ligou dizendo que não acreditava naquilo e que tinha marcado uma Ultra para o dia seguinte com o melhor médico daqui do RJ.

Chorei a noite toda e mais uma vez, pedi perdão a Deus e pedi que aquele médico grosso e sem paciência estivesse errado. Como eu sofri naquela noite, calada, para não demonstrar o desespero que sentia para o meu marido.

No dia seguinte, fui fazer a USG com o coração na mão.

Meu Deus, como eu queria aquele segundinho, era sim o momento certo. Biel, estava vibrando com a gravidez. Se não desse certo, como eu falaria para ele?

Eu precisava ser forte, mas como?

Com um sorriso bem grande, o medico perguntou se eu queria que aumentasse o som. TUM TUM TUM, batia o coração da minha segundinha. Deus escutou as minhas orações. O médico super educado, diferente do primeiro, me tranquilizou e afirmou que estava tudo bem comigo e com o bebe. Respirei aliviada e não teve como não cair em lágrimas. Deus é bom demais.

Quando descobrimos o sexo do bebe, eu deixei que o irmão escolhesse. Sim, o Biel participou de tudo, de cada detalhe. Foi uma forma que encontrei para que não houvesse ciúmes, pelo menos não na gravidez. Eu sempre quis uma filha com o nome Maria e o Gabriel escolheu o Luiza, Maria Luiza, a nossa tão esperada segundinha.

Sobre a pergunta que eu fiz no inicio, se eu seria capaz de amar a minha segundinha como eu amava o Gabriel?

Isso agora é mole de responder. Amor de mãe não se divide, ele se multiplica.

Com dois, três ou quatro filhos … Eu serei a melhor mãe que eles poderiam ter.

E o amor?

Aaaaah, ele vai sempre multiplicar, triplicar e crescer, crescer e crescer.

Não existe um momento certo para ter o seu segundinho, existe o momento certo para Deus te escolher!

 

DSC03900

Facebook Comments

Lely Schmidt

Leave a Comment